Lições que aprendemos com a arquitetura da Grécia - Giassi Ferro e AçoGiassi Ferro e Aço
Qual a composição do aço inox?
24 de agosto de 2018
Qual a diferença entre o aço CA-50 e o aço CA-60?
24 de setembro de 2018

Lições que aprendemos com a arquitetura da Grécia

Você já parou para analisar as características arquitetônicas presentes nas construções atuais? Refletindo sobre, é possível notar fortes traços da arquitetura da Grécia.

Apesar de iniciar o seu desenvolvimento ainda no século VII, o processo de desenvolvimento construtivo greco-romano alastrou-se rapidamente ao longo dos anos.

Hoje, centenas e milhares de construções, das mais tradicionais às mais modernas, seguem o que foi difundido há anos pela escola grega de arquitetura.

Podemos destacar especialmente 3  influências mais clássicas, herdadas daquelas construções do Olimpo, sendo:

Proporções matematicamente precisas

 

A arquitetura grega é reconhecida pela perfeição, partindo do olhar observador.

Tal qualidade só é obtida através de construções minuciosamente proporcionais – apostando na proporção áurea. Estes detalhes podem ser observados tanto em corpos humanos quanto na arquitetura.

No caso das construções inspiradas pela Grécia, quando as proporções ideais são aplicadas em peças de arquitetura ou na disposição da movelaria,  o equilíbrio torna as construções muito mais agradáveis.

Segue um bom exemplo do cálculo destas proporções precisas:

Para desenhar uma mesa de centro na qual um dos lados deve medir 1,20m, por exemplo, basta dividir a medida pelo número áureo, resultando nas dimensões 1,20m x 0,74m.

Trata-se de um conceito bastante difundido, principalmente entre os profissionais de design de interiores.

Uso de colunas, pilares e vigas

 

As vigas, pilares e demais colunas presentes nos prédios e construções atuais seguem uma referência grega: as colunas da grécia antiga.

Bons exemplos de construções atuais referenciadas nas colunas gregas são o portal de Brademburgo, na Alemanha, a Suprema Corte dos Estados Unidos da América e a Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro.

É interessante frisar que naquela época as colunas eram utilizadas para marcar determinadas eras – jônica, dórica ou coríntia.

Dimensões rigorosas e milimetricamente calculadas

 

Ao calcular milimetricamente as medidas da construção, são consideradas a harmonia e as proporções do espaço, evitando distorções perceptíveis. Assim, obtém-se construções perfeitamente notáveis.

O Panthenon, em Atenas, é um exemplo da resultado obtido ao apostar em dimensões bem rigorosas. Em vez de utilizar colunas retas, foram inseridas colunas de diversos tamanhos, resultando em um ajuste natural ao olhos de quem vê.

Apostar nas características arquitetônicas gregas resulta em construções muito mais harmoniosas, elegantes e esteticamente precisas!