Técnicas De Construção Seca

Técnica relativamente nova no Brasil, o termo “construção seca” se refere a construção em que não se utiliza argamassa.

A construção seca utiliza perfis de aço nos quais placas de gesso ou concreto ficam presas por meio de parafusos. Tais construções apresentam alta resistência e durabilidade, fatores que estão começando a chamar a atenção das grandes construtoras brasileiras.

Agilidade e segurança

Outro ponto importante sobre as técnicas de construção seca é que atendem a todos os padrões internacionais de segurança. Além disso, agilizam a conclusão de uma obra e reduzem os custos de um projeto.

Um bom exemplo de construção seca é a parede conhecida por drywall. Neste caso, há uma estrutura firme na qual placas compostas por gesso e um tipo de papelão especial são parafusadas. Na construção, as drywalls oferecem isolamentos térmico e acústico.

No interior das placas de drywall há um espaço oco para a passagem de tubulações e fios de maneira simples. No caso de reparos, é retirada uma parte da placa e, ao término do conserto, recolocada sem deixar sujeira e outros resíduos.

As técnicas de construção seca são bastante populares nos Estados Unidos e na Europa. No entanto, aqui no Brasil ainda é mais encontrada em construções corporativas.

Técnicas

Veja abaixo as principais técnicas de construção seca:

Parede dupla de concreto

Essa é uma das mais recentes técnicas de construção seca no Brasil, pois chegou apenas em 2009. A parede dupla de concreto é bastante encontrada em obras de galpões industriais e na construção de shopping centers.

A técnica utiliza duas placas de concreto armado separadas por um espaço que será utilizado para instalações elétricas e hidráulicas. Tais placas são adquiridas prontas e a montagem é realizada como uso de um guindaste leve.

O principal ponto a ser observado nesta técnica é que a posição de portas e janelas não poderá ser alterada.

Sistema EPS

Essa técnica de construção seca já está no Brasil há pelo menos duas décadas, porém ainda não se tornou popular.

No sistema EPS são utilizadas telas metálicas (aço galvanizado) que são preenchidas com poliestireno expandido (isopor). Após o preenchimento, a técnica é finalizada com um jato de argamassa.

Além de agilidade, o sistema EPS apresenta um material cerca de 80% mais leve que um tijolo. Outra vantagem é que os resíduos podem ser totalmente reciclados.

Light Steel Frame

Ao contrário da técnica anterior, esta técnica é, certamente, a mais utilizada no Brasil. Como o próprio nome sugere, são utilizados perfis metálicos (aço galvanizado) para a formação de vigas e painéis. A estrutura é, então, posicionada sobre uma base de concreto com um espaço de 40 cm a 60 cm.

Após ser posicionado sobre a base, o perfil é vedado com placas de drywall ou placas OSB, uma placa cuja composição é feita por tiras de madeira posicionadas em uma única direção. São, também, utilizadas mantas de lã para o isolamento térmico e acústico das placas.

Wood Frame

Essa técnica é bastante similar com a anterior. Porém, a diferença está na composição da estrutura que, ao invés de perfis metálicos, utiliza perfis de madeira. É importante ressaltar que a madeira é tratada adequadamente para evitar a infestação por cupins. O tratamento também protege a estrutura contra a umidade.